Curso de Teoria de Música, Parte 3.2

Capítulo XIII – Acordes
Capítulo XIV – Compassos mistos e alternados
Capítulo XV – Transposição


Capítulo XIII – Acordes

1.     Generalidades
“Acorde é o conjunto de som ouvido simultaneamente, cujas relações de altura são determinadas pelas leis da natureza.”
Os acordes são formados por grupos de 3, 4 e 5 ou mais sons (notas) diferentes entre si.
Entretanto, podemos repetir, num acorde, qualquer das suas notas. Porém, para se classificar o acorde, contam-se apenas os sons diferentes. As notas repetidas chamam-se notas dobradas. Exemplo: O acorde de Mi toca se no violão Mi-Si-Mi-Sól# -Si-Mi. É um acorde de três sons.
Quando as notas do acorde estão colocadas em terças superpostas,
diz-se que o acorde está em posição primitiva (ou posição natural).

2.     Diferença entre o baixo e a fundamental
A nota mais grave do acorde chama-se baixo, independentemente de sua posição.
Quando o acorde encontra-se em terças superpostas (posição natural ou fundamental), o baixo coincide com a fundamental. A fundamental é, pois, a nota básica, a nota que dá origem ao acorde, sendo a nota mais importante do acorde, sobre qual se constrói o acorde. Para encontra-la, basta colocar o acorde em posição fundamental.

3.     Formação dos acordes em geral
As notas do acorde são designadas pelo número correspondente ao intervalo que formam, respectivamente, com a fundamental. A 1a (fundamental), 3a e 5a são tão comuns em acordes, que não precisa notar a cifra. Só se são exigidos mais notas, se nota uma cifra. (O acorde de C é feito, por conseguinte, de Dó-Mi-Sol = 1a, 3a e 5a da escala em C, o acorde de D consta de Ré-Fá# - Lá = 1a, 3a e 5a  da escala em D)

Acordes de 3 sons: fundamental (1ª) – 3ª – 5ª  (G = Sól,Si,Ré; Fm = Fá, Lá b, Dó)
Acordes de 4 sons: fundamental (1a) – 3ª – 5ª – 7ª  (G7M=Sol,Si,Ré,F#)
Acordes de 5 sons: fundamental (1a) – 3ª – 5ª – 7ª – 9ª (G7/9, A7/9 etc.)

4.     Estados dos acordes
Os acordes têm dois estados:
                 Fundamental – quando o baixo e a fundamental são a mesma nota

Estado

                 Invertido – quando a fundamental não é o baixo

5.     Inversão dos acordes

Acordes de 3 sons

Os acordes de 3 sons têm 2 inversões:
1a inversão....................3a como baixo
2a inversão....................5a como baixo

Acordes de 4 sons

Os acordes de 4 sons têm 3 inversões:
1a inversão....................3a como baixo
2a inversão....................5a como baixo
3a inversão....................7a como baixo

Acorde de 5 sons

 

Os acordes de 5 sons têm uma característica especial; o intervalo composto de 9a.
Assim sendo, seja qual for sua inversão é obrigatório conservar esse intervalo sempre acima da fundamental, sendo impossível, portanto, a 9a figurar como baixo, pois se o fizermos não será possível manter esse intervalo.
Logo, os acordes de 5 sons também têm 3 inversões.
1a inversão....................3a como baixo
2a inversão....................5a como baixo
3a inversão....................7a como baixo

1.     Acordes de 3 sons
De acordo com a classificação dos intervalos com que são formados os acordes de 3 sons chamam-se:
a)    acorde (perfeito) maior
Formação: (além da fundamental:) 3a maior e 5a justa (p.ex. C)

b)    acorde (perfeito) menor
Formação: 3a menor e 5a justa (Cm)

c)     acorde de 5a diminuta
Formação: 3a menor e 5a diminuta (Cdim = Cm5b = Cm5- = Cm-)

d)    acorde de 5a aumentada
Formação: 3a maior e 5a aumentada (C+ = C5+ = C5#)

e)     acorde com 4a
 4a em vez de 3(os dois juntos não combinam) (Csus = C4)

2.     Acordes de 4 sons
O acorde mais freqüente é a dominante com 7 (ver capítulo XI e XII), como G7. Ele usa a 7a menor, embora a 7a da escala contem a 7a maior. É comum, que 7a visa sempre a 7a menor, enquanto 7 M significa 7a maior.
a)    acorde de 7a da dominante
Formação: 3a maior, 5a justa e 7a menor (G7)

b)    acorde de 7a da sensível
Formação: 3a menor, 5a diminuta e 7a menor (Bm-7 = Bm5- 7)

c)     acorde de 7a diminuta
Formação: 3a menor, 5a diminuta e 7a diminuta (A#o = quase = A#dim)
Nesse acorde todos os sons tem a distância de 3 meio-tons, correspondendo a uma terça menor.

d)    acorde de 4a e 7a
Formação: 4a maior, 5a justa e 7a menor (G47)

e)     acorde com 6a
Formação: 3a maior, (5a justa, as vezes pode faltar!) e 7a menor (G6)

f)      acorde com 9a
Formação: 3a maior, 5a justa e 9a menor (A9)


3.     Acordes de 5 sons
a)    acorde de 9a maior da dominante,
Formação: 3a maior, 5a justa, 7a menor e 9a maior (G79)

b)    acorde de 9ª menor da dominante
Formação: 3a maior, 5a justa, 7a menor e 9a menor (G79- = G79b)

4.     Acordes consonantes e dissonantes
Os acordes são classificados como consonantes ou dissonantes de acordo com os intervalos que os formam.
São consonantes aqueles formados apenas por intervalos consonantes.

3a e 6a maiores e menores (consonantes variáveis)

Intervalos consonantes

5a, e 8a justas (consonantes invariáveis), 4a (no conjunto do acorde)

Acordes consonantes                    perfeito maior

                                                perfeito menor

São dissonantes todos os outros acorde, aqueles que contêm um ou mais intervalos dissonantes. Todos os acordes dissonantes possuem notas atrativas, e, por esse motivo, pedem resolução.

Intervalos dissonantes         2a e 7a maiores e menores

  todos os intervalos aumentados e diminutos

              
Acordes dissonantes           5a diminuta; acorde com 6a (dissoa entre 5a e 6a ); 5a aumentada)                                       
                                                 7a da dominante

           7a da sensível

               9a maior da dominante; etc.
               acorde com 4a, pois a 4a dissoa com a 5a , formando com ela um 2a.

Capítulo XIV – Compassos mistos e alternados
1. Compasso misto
Dá-se o nome de compasso misto à reunião de dois compassos diferentes executados simultaneamente.
Quando escrito para uma música para piano uma das mãos executa um compasso, enquanto a outra executa compasso diferente.
Também dois instrumentos tocando em conjunto com compassos diferentes formam um compasso misto.
Na execução do compasso misto é indispensável que os primeiros tempos de cada compasso coincidam sempre.
2. Compasso alternado
Compassos alternados são aqueles formados pela reunião de dois ou três compassos (de 2, 3 ou 4 tempos) executados alternadamente.
Exemplo de um compasso de 5 tempos (execução alternada de um binário e um ternário):
Alguns compositores empregam às vezes os compassos alternados sem a linha pontilhada divisória
Esses compassos alternados são também indicados por frações e têm sua formação idêntica aos demais compassos.
Os compassos alternados podem ser simples ou compostos, conforme sejam os compassos que os constituam.
Servem com numerador das frações dos compassos simples os números 5, 7 e 9; os denominadores são os mesmos do demais compassos conhecidos.

1.     Compassos alternados simples
Compasso de 5 tempos: formado por um compasso binário e um ternário, ou vice-versa. Ver exemplo acima
Compasso de 7 tempos: formado por um ternário e um quaternário
Compasso de 9 tempos: formado por um quaternário, um ternário e um binário.
2.     Compassos alternados compostos
Alternando os compassos compostos teremos compassos alternados compostos
Assim sendo, cada compasso alternado simples tem o seu alternado composto e vice-versa. Os seus numeradores são:
Para o quinário...................................15 (3 x 5)
Para o septenário................................21 (3 x 7)
Para o de 9 tempos.............................27 (3 x 9)
        

Capítulo XV – Transposição
A transposição consiste em elevar ou abaixar o tom de uma música. Sua finalidade é acomodar a uma voz ou a um instrumento, ou até adaptá-lo (no caso de instrumentos transpositores), uma música escrita em tom muito alto ou muito baixo
A transposição pode ser:
 è escrita –   sem mudança de clave
        com mudança de clave (não será trabalhada no momento)
 è lida (não será trabalhada no momento, quem toca flauta contralto, já conhece o trabalho, porque ele transpõe, pelo menos no início, as notas um 5a para cima ou uma 4a para baixo, quando tocar um trecho)

1.     Transposição escrita sem mudança de clave
Para fazer essa transposição:
a)     coloca-se a armadura do tom transportado de acordo com o intervalo dado;
b)    faz-se o transporte de todas as notas, de acordo com o intervalo dado;
c)     as notas acidentadas serão também alteradas no tom transportado
Tom original:
Tom transposto à 2ª maior
Esse é o fim do curso de teoria. Põe agora em prática, o que você aprendeu, visando sempre a honra e a glória de nosso Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário